Dia Internacional das Pessoas com Deficiência: campanha de recolha e adaptação de brinquedos

PorFórum

Dia Internacional das Pessoas com Deficiência: campanha de recolha e adaptação de brinquedos

Sob o lema “A Esperança da Inclusão por um Futuro em Equidade”, o Fórum Municipal das Pessoas com Deficiência de Guimarães preparou várias iniciativas com o intuito de assinalar o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência. De 01 a 30 de dezembro há vários eventos a realizar, entre eles a campanha de recolha e adaptação de brinquedos, promovida pelo Núcleo de Robótica do Departamento de Eletrónica Industrial da Universidade do Minho.

O Laboratório de Automação e Robótica da Universidade do Minho, depois de um interregno em 2020, por causa da pandemia de covid-19, voltou a receber os alunos de Eletrónica Industrial que regressaram ao trabalho de adaptação de brinquedos eletrónicos para crianças com necessidades específicas. Este projeto, promovido pelo professor Fernando Ribeiro, conta com vários parceiros, entre eles a Câmara Municipal de Guimarães que ofereceu 50 brinquedos novos para adaptar e oferecer a algumas crianças neste Natal.

Ontem, 14 de dezembro, foi a vez da Tânia, do Tiago e da Lara que frequentam o Centro de Apoio à Aprendizagem (CAA) do Agrupamento de Escolas das Taipas receberem alguns dos brinquedos adaptados.

O Fórum Municipal das Pessoas com Deficiência de Guimarães assistiu a este momento e foi encontrar estas crianças a prepararem um bolo com a terapeuta ocupacional, em jeito de quem adivinhava que uma pequena comitiva de alunos da Universidade do Minho viesse com vontade de provar esta iguaria de iogurte e limão.

Tudo começou com o pedido de um colega e amigo, a que Fernando Ribeiro acedeu: adaptar os brinquedos do filho Diogo. Depois do Diogo foram aos amigos do Diogo e o projeto “atingiu uma dimensão que se tem mantido”. “Em 2020 foi um bocado difícil porque queríamos manter a tradição em 15 anos e não pudemos, não fomos autorizados sequer. Porque estaríamos no laboratório todos juntos a trabalhar e no ano passado não podíamos fazer isso”, lembra o docente da Universidade do Minho.

Desde 2006 que esta iniciativa tem vindo a ocupar o calendário anual do Laboratório do Núcleo de Robótica do Departamento de Eletrónica Industrial da Universidade do Minho e a agenda deste professor e dos respetivos alunos nas primeiras semanas de dezembro. A adaptação de brinquedos eletrónicos também se realizou na Sociedade Martins Sarmento para que haja uma proximidade maior à comunidade vimaranense. E esta oficina improvisada no centro da cidade recebeu a visita de várias turmas de escolas do primeiro ciclo para que as crianças possam entender os ajustes necessários para os brinquedos poderem ser utilizados por quem tem mobilidade reduzida. “Tivemos escolas a visitar-nos. Foi muito interessante e deram-nos sugestões, estiveram a brincar e foi muito giro também ver lá as crianças todas”, referiu Fernando Ribeiro.

O impacto deste projeto nos estudantes universitários descobre-se no desejo de um aluno paquistanês levar esta ideia para o respetivo país e nas palavras de Inês Ribeiro, uma aluna finalista do curso de Eletrónica Industrial que participa há cinco anos nestas iniciativas de adaptação: “Enquanto estamos no Laboratório estamos a aplicar os conhecimentos que vamos tendo nas aulas. Começamos com umas pequenas coisas, a ajudarmo-nos uns aos outros sem saber muito bem o que na verdade estamos a fazer”, admite. “Vemos os brinquedos, vemos os componentes e temos um objetivo final. Depois de ter ido entregar os brinquedos pela primeira vez e estar em contacto com as crianças, realmente percebi que estamos a fazer algo que mexe com muito mais gente e é muito gratificante”, revela Inês Ribeiro.

Este ano o docente da UMinho, Fernando Ribeiro, em novembro, bateu à porta de algumas entidades para conseguir que a campanha de 2021 pudesse contar com a adaptação de brinquedos novos. “Bastou falar com a vereadora da Ação Social da Câmara Municipal de Guimarães [Paula Oliveira] e ofereceram-nos logo 50 brinquedos novos, e a Saluslive, um centro terapêutico em Braga, também ofereceu 20 brinquedos e fizemos essas adaptações com esses brinquedos.

Segundo a professora de educação especial, Eduarda Ferreira, “a comunidade escolar abraçou a campanha de angariação de brinquedos com grande entusiasmo”. E o exemplo que conhece em relação ao agrupamento de escolas das Taipas estende-se a todas as escolas dos outros agrupamentos que aceitaram o desafio de participar nesta iniciativa. “Nos primeiros anos tínhamos brinquedos oferecidos por empresas mas depois, a partir de 2009, deixaram de dar brinquedos e nós tivemos que pedir brinquedos usados”, contextualiza Fernando Ribeiro.

A participação na recolha de brinquedos por parte dos agrupamentos de escolas é encarada como sendo positiva e serve, por assim dizer, como “moeda de troca” em relação aos brinquedos adaptados que depois vão receber.

“Nós no final do ano temos uma determinada verba e adquirimos os materiais que nós achamos que são essenciais para o funcionamento do CAA como jogos didáticos, materiais de desgaste, tudo o que nós virmos que são materiais prioritários”, começou por explicar a professora de educação especial, Eduarda Ferreira. A aquisição de brinquedos também costuma fazer parte da lista de compras das escolas que, muitas vezes, se deparavam com preços elevados e têm dificuldade em garantir a respetiva manutenção e arranjo, algo que este projeto também veio ajudar a resolver.

“Eu acho que acaba por ser uma campanha que junta duas grandes vantagens: a primeira é a reutilização de materiais porque nós acabamos por encostar alguns brinquedos e acho que a segunda grande vantagem é mesmo o facto de ser um ato de solidariedade porque estas crianças ao receberem este brinquedo vão certamente libertar grandes sorrisos e portanto fará com que elas tenham um Natal mais feliz”.

Todos os anos a entrega realiza-se em locais diferentes e em 2021, além do CAA da EB 2, 3 das Taipas, serão entregues brinquedos na Escola Básica de Oliveira do Castelo, na Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães, nos hospitais de Guimarães e de Braga e, como é habitual todos os anos, na Saluslive, em Braga.

Além disso, a grande novidade desta edição desta iniciativa é o facto de existir um email (geral@saluslive.pt) que pode ser usado para pedir um brinquedo. São garantidos os envios para qualquer zona do país. “Há uma pessoa que liga para confirmar o tipo de deficiência e perceber se o brinquedo se adapta ou não. Já temos brinquedos que vão para o Alentejo, para o Algarve, para Lisboa, para Coimbra. Estamos a receber emails e telefonemas de muitos locais”, conclui Fernando Ribeiro.

Programa completo AQUI

 

Sobre o autor

Fórum administrator

O Fórum Municipal das Pessoas com Deficiência é um órgão informal de debate, de consulta e informação que funciona com o apoio da Divisão da Ação Social da Câmara Municipal de Guimarães e que, em 2018, completa 15 anos de existência. Composto por representantes de associações e instituições públicas e privadas, pessoas com deficiência e respetivos representantes o Fórum assume como principais funções a promoção e organização de debates temáticos e de ações e projetos de interesse para as pessoas com deficiência, assim como a apresentação de propostas e sugestões dirigidas a este público. Podem fazer parte do Fórum associações e instituições públicas e privadas, com personalidade jurídica, pessoas com deficiência e seus representantes. Os membros devem ser registados.

Deixar uma resposta